Quarenta das 61 pessoas que foram detidas em Istambul esconderam-se por causa de uma contínua caça às bruxas do governo visando o movimento Gülen baseado na fé, foram presas na segunda-feira.

 

Na semana passada, 61 pessoas que estavam escondidas em Istambul, foram detidas numa investigação sobre os seguidores de Gülen. Sadettin Ulubay, dono da Emex Hotels também foi preso na segunda-feira.

O país sobreviveu a uma tentativa de golpe militar no dia 15 de julho que matou mais de 240 pessoas e feriu mais mil outros. Imediatamente após o golpe, o governo do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (Partido AK), juntamente com o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, culpou o movimento Gülen, apesar da falta de provas nesse sentido.

 

Fethullah Gülen, que inspirou o movimento, negou fortemente ter algum papel no fracassado golpe e pediu uma investigação internacional sobre isso, mas o presidente Erdoğan – chamando a tentativa de golpe “um presente de Deus” – e o governo iniciou uma purga visando  limpar simpatizantes do movimento dentro das instituições estatais, desumanizando as suas figuras populares e colocando-as na prisão.

 

De acordo com uma declaração do ministro turco da Justiça, Bekir Bozdağ, em 6 de maio, 149.833 pessoas foram investigadas e 48.636 foram encarcerados como parte de uma investigação visando o movimento Gülen desde a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho na Turquia.

 

Este artigo apareceu originalmente no site “Turkish Minute” em 9 de maio.